Pasta/Processo BR RSTJRS RSTJRS 1G Soledade PCRIM A24716786 - Procedimento Especial – Júri – Processo Crime – Homicídio Qualificado (Preliminar)

Código de referência

BR RSTJRS RSTJRS 1G Soledade PCRIM A24716786

Título

Procedimento Especial – Júri – Processo Crime – Homicídio Qualificado

Data(s)

  • 2005-04-05 - 2012-03-28 (Produção)

Nível de descrição

Pasta/Processo

Dimensão e suporte

Gênero textual, 18 volumes, 4.050 folhas + 46 volumes de apensos.

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Âmbito e conteúdo

Processo 20500008670
Resumo: Em janeiro de 2005, o advogado J.C.S. foi assassinado com vários disparos de arma de fogo quando conversava na praça da cidade, em Soledade. O assassino fugiu com a ajuda de um comparsa. O caso causou grande comoção na cidade e havia um boato entre a população que o mandante do crime seria criminalista G.B.C., ex-deputado estadual, com 78 anos de idade, pois ele e o falecido tinham séria inimizade. O suspeito já era investigado pela ligação com a morte de um informante da polícia em 2003, que teria sido sondado para ajudar a matar J.C.S. Nesse caso, o atirador foi o irmão adotivo de G.B.C., que alvejou o informante de dia, em frente à Câmara de Vereadores.
Durante as investigações descobriu-se que a morte de J.C.S. começara a ser planejada muitos meses antes, quando o mandante, G.B.C., contatou A.D., morador da cidade, para que este encontrasse uma pessoa para matar a vítima, em troca do pagamento de dez mil dólares. A.D. viajou até Foz do Iguaçu, onde manteve contato com outros réus, que contrataram o paraguaio conhecido como Xiruzinho, que atirou em J.C.S. Durante as investigações surgiram testemunhas, houve quebra de sigilo bancário e interceptações telefônicas, além de apreensão de telefones celulares e outros documentos indiciários na casa de A.D.
Com a prisão de A.D. muito se esclareceu, pois ele contou à polícia como tudo havia sido planejado, inclusive confirmou sobre o mandante do crime, negando sobre a participação do vice-prefeito, já que havia uma suspeita sobre ele. Em abril de 2005 foi decretada a prisão preventiva de G.B.C. que, após intensa defesa judicial, utilizando-se de todos os recursos possíveis, foi condenado pelo Tribunal do Júri, condenação mantida no julgamento da apelação, apenas com redução de 18 anos de pena para 17. Os demais réus também foram condenados, com exceção de Xiruzinho, que desapareceu após o crime.

Avaliação, selecção e eliminação

Processo de Guarda Permanente - Interesse Histórico.

Ingressos adicionais

Sistema de organização

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

  • português do Brasil

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Documento em boas condições, no geral. Alguns amassados e rasgos nas bordas.

Instrumentos de descrição

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Nota

Contém fotografias do local do crime e dos acusados, laudo de necropsia, cópias de entrevista do acusado de ser o mandante no jornal Zero Hora e fita de vídeo com entrevista do mesmo réu à RBS TV.

Identificador(es) alternativo(s)

Pontos de acesso de género

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Estatuto

Nível de detalhe

Datas de criação, revisão, eliminação

Línguas e escritas

Script(s)

Fontes

Zona da incorporação

Géneros relacionados